Bitcoin o que é? Explicação simples para leigos


Postado em


Afinal, o que é Bitcoin?

Bitcoin é um tipo de moeda digital, ela não existe fisicamente, apenas no universo virtual. O Bitcoin é considerado uma criptomoeda, ou seja, uma moeda que utiliza-se da criptografia para assegurar as transações (uma vez que são todas realizadas no universo digital) e para controlar a criação de novas unidades de moeda (senão qualquer pessoa conseguiria criar bitcoins e ele acabaria não valendo nada). Estas moedas são fabricadas por usuários espalhados pelo mundo, os chamados mineradores. (Saiba mais sobre o processo de mineração de bitcoins).

Uma das grandes vantagens do Bitcoin é o fato de ser uma moeda descentralizada.

Vamos esclarecer a diferença entre o Real e o Bitcoin para simplificar. O Real é fabricado e fornecido exclusivamente pelo Banco Central do Brasil, por ninguém mais. Assim como o dólar, yen, euro e as demais cédulas padrão, a instituição que detém e controla o dinheiro é o Banco Central, por isso estas são consideradas moedas centralizadas. O Bitcoin não é centralizado, isto é, não existe um banco que o rege.

"Você não depende do sistema bancário no mundo dos bitcoins. Você é seu próprio banco" Fernando Ulrich, um dos autores do livro A Revolução das Moedas Digitais: Bitcoins e Altcoins

Outra vantagem do Bitcoin é a facilidade e rapidez das transações.

Basta um celular smartphone com internet. Em menos de dois minutos você é capaz de movimentar centenas ou milhares de bitcoins para qualquer canto do mundo. (Lembrando que cada Bitcoin vale cerca de 6 mil reais (12/05/2017), dependendo da cotação. Imagine quanto dinheiro é movimentado globalmente sem a necessidade de um banco e livre de suas burocracias)

Taxas baixas e transações anônimas

Comparadas às transações tradicionais que realizamos no banco, as taxas cobradas nas transferências de bitcoins são extremamente baixas e proporcionais ao montante encaminhado. Além disso, tecnicamente, todas as transações são rastreáveis por meio do blockchain. O que existe nesta moeda digital é um pseudo-anonimato, isto é, embora as transações fiquem registradas no blockchain, a informação que aparece é que "um conjunto de números passou um determinado valor de bitcoins para outro determinado conjunto de números". Portanto, caso você não saiba quem é o indivíduo representado neste conjunto numérico, a transação é exibida sob uma espécie de anonimato.

Valorização em ascensão

Hoje, enquanto escrevo esta postagem, o Bitcoin está valendo R$ 6.628,00. É provável que no momento em que você estiver lendo este texto, seu valor tenha aumentado drasticamente (ou mesmo diminuído, ante sua volatilidade). Vale salientar que esta é uma boa oportunidade de ganhar dinheiro, visto que ele pode valer o dobro em alguns meses. Mas, sempre precisa ter em mente que o bitcoin é uma ativo volátil e suscetível ao mercado. Saiba como fazer uma carteira de Bitcoin.
Quer saber mais? O livro A Revolução das Moedas Digitais: Bitcoins e Altcoins explica detalhadamente o surgimento desta moeda, assim como as perspectivas econômicas, jurídicas, sociológicas e da ciência da computação.

Tags: , , , ,

Como publicar um livro | Edição para novos autores


Postado em


Como publicar um livro | Edição para Novos Autores

Quero publicar um livro, como faço?

Muitos dizem que escrever um livro é mais fácil que publicá-lo. Aqueles autores que desejam publicar nas grandes editoras dos maiores bestsellers acabam se decepcionando quando suas obras são rejeitadas ou quando precisam seguir tantas etapas na avaliação que acaba parecendo um processo seletivo de emprego em uma grande companhia. Por isso, para autores iniciantes que ainda estão em suas primeiras publicações, o ideal pode ser ir atrás de uma editora de pequeno a médio porte. A própria J.K. Rowling teve o livro Harry Potter rejeitado inúmeras vezes até ser aceita por uma editora menor, a Bloomsbury Publishing. Mas no Brasil a publicação de livros ocorre de maneira bem diferente que no Reino Unido, onde os autores utilizam-se de agentes literários para apresentarem a obra para as editoras. Ainda que existam alguns agentes no Brasil, a maioria aposta somente em autores reconhecidos já com livros publicados.

Publicar um livro gratuitamente, é possível?

Não há como dizer que é impossível, mas as chances de uma editora arcar com todas as despesas de um autor desconhecido são praticamente nulas. Isso não significa que a sua obra seja ruim, mas a edição de um livro não é um trabalho barato. Se você é um autor novo no mercado e não pretende gastar dinheiro com a edição, é melhor reavaliar as suas expectativas em relação à publicação.

As etapas da publicação de um livro

Primeiramente, você deve procurar uma editora que atenda o gênero do seu livro. Explique sobre o que se trata, envie uma sinopse detalhada e peça um orçamento de edição e publicação (para avaliar se está dentro das suas estimativas). Após negociar com a editora, estabelecer a porcentagem em cima das vendas (o que é muito baixa para autores desconhecidos, não espere mais que 10% por unidade vendida), assinar o contrato e as demais burocracias, a editora partirá para a edição.

CORREÇÃO ORTOGRÁFICA E REVISÃO DE TEXTO

Essa é uma parte muito importante. A princípio o autor deve ter em mente que o seu livro não está 100% pronto, por isso deverá passar pela equipe de revisão da editora, que fará a correção de erros ortográficos e de formulação do texto. Dependendo do contexto da obra, em relação ao conteúdo, é possível que seja necessário realizar algumas modificações na estrutura da história, seja por cortes de cenas desnecessárias ou conflitos de coerência na trama. Por isso, é essencial que o autor estabeleça um acordo com a editora escolhida para ficar ciente de todas as modificações e alterações realizadas. Afinal, o livro é seu.

CAPA

A parte favorita de todos os autores. A capa é a etapa que traz a identidade do livro, sua maior propaganda. O ditado popular "não julgue um livro pela capa" não é levado em conta quando se trata de uma edição. A editora, dentro de seu conhecimento de mercado e do público-alvo do livro em questão, passará as informações do livro para o designer de capas responsável. Algumas editoras terceirizam esta parte, contratando especialistas específicos para o gênero do livro. Como autor, não se esqueça de estabelecer no contrato com a editora que a sua aprovação da capa é obrigatória. Mesmo que a editora possua grande conhecimento no ambiente literário, o autor do livro é quem deve dar a última palavra.

DIAGRAMAÇÃO

A Diagramação é semelhante ao processo de capa, é a "beleza" do texto, a arte gráfica. É comum que o próprio capista seja o diagramador. Essa etapa vai depender do gênero do livro. Se for fantasia, romance e ficção a diagramação exigirá uma arte mais rebuscada, com letra capitular e desenhos para enfeitar as páginas. Livros acadêmicos, dramas e suspense, por exemplo, muitas vezes sequer necessitam de diagramação, apenas uma formatação de texto simples já resolve.

IMPRESSÃO

Aperte os bolsos, essa é a parte mais cara. No contrato entre editora e autor, será estabelecido o número de tiragens que será feito na edição (normalmente, para autores iniciantes, é 500 ou 1.000 tiragens), ou seja, quantos livros serão impressos nessa edição. Isso dependerá do quanto o autor está disposto a gastar, pois existe uma diferença considerável do custo de 500 livros impressos e 1 mil. O preço da impressão varia de gráfica para gráfica, dependendo do número de páginas, do tipo de papel, se é colorido ou preto e branco, se possui imagens e fotografias, e assim por diante (tudo isso será escolhido pela editora).

PUBLICAÇÃO

Chegou o grande dia: a noite de autógrafos. O evento ocorre na livraria de preferência da editora ou do autor, também dependendo do gênero do livro. Por exemplo, para a publicação de um livro infantil, o ideal é que a noite de autógrafos seja realizada em uma livraria voltada ao público infantil. Lembrando que todos os custos adicionais do evento (divulgação prévia, coquetel, fotografia, música ambiente, e outros detalhes) serão pagos pelo autor no acordo com a editora. Tudo depende do contrato entre ambos, o que está incluso no orçamento e o que são despesas adicionais.

DISTRIBUIÇÃO

Essa parte é de responsabilidade da editora com a empresa de distribuição contratada. As distribuidoras normalmente ficam com 50 a 65% em cima de cada livro vendido, o que explica a porcentagem mais alta que o autor reservada à editora. A distribuidora fará a distribuição nacional pelas livrarias do país, mas o destaque em que o livro ficará em cada livraria, seja na vitrine ou em ilhas de destaque, é o agente do autor que precisará ficar de olho.

DIVULGAÇÃO

Apesar da editora ter interesse de vender o livro, quem deve correr atrás da divulgação em diferentes canais é o próprio autor, de preferência junto a uma assessoria de imprensa especializada. O máximo que a editora fará por você é divulgar em revistas, nas redes sociais e no site da empresa. Não espere que a editora te leve no Faustão para divulgar a obra, pois o responsável pela publicidade é o autor.  



Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,