Postado em 18 fevereiro 2016 às 18:39

Qual o momento de enviar o meu livro para a editora?


Por Danielle Barbosa




Qual o momento de enviar o meu livro para a editora?

             Primeiramente, tenha o livro finalizado - do começo ao último ponto final. Leia e releia para identificar possíveis erros, ou mesmo alguns detalhes que deseja modificar antes de seguir à diante. Começo, meio e fim: confira se existe uma linha de pensamento, se os problemas da trama foram resolvidos, se você conseguiu passar a mensagem de modo claro e eficiente. Qual o auge da história? Aquele ponto crucial que trará as emoções de seus leitores à tona? Normalmente o ápice de uma prosa resulta em fortes sentimentos, choros, ansiedade, nervosismo, felicidade extrema, perplexidade ou revolta.

              Mas aqui vai um conselho da editora Revoar: um livro é como um bolo, existem algumas receitas de modelos que deram certo, mas isso não significa que se você não seguí-las, ele será um fracasso. Muitos best-sellers e obras clássicas da literatura romperam completamente com os padrões da linguagem escrita, afinal, cada autor possui sua própria característica. No momento que este se vê obrigado a seguir um manual de instruções, a criatividade é automaticamente limitada.

"Um livro nunca estará perfeitamente pronto, sempre existirá pontos para remendar a costura"

              Conselhos e sugestões auxiliam o escritor a não se perder, moldam o livro baseando-se nos formatos daqueles já existentes e que conseguiram cumprir com o objetivo de cativar o público; entretanto, arte é arte - seja em forma de livros, pinturas, músicas, filmes… Pense bem: se todos os diretores de cinema seguissem o mesmo modelo de roteiro, não teríamos filmes tão extraordinariamente inovadores que nos deixam com a cabeça dando voltas.                 Quando sentir que está pronto e próximo da perfeição - lembrando que um livro nunca estará perfeitamente pronto, sempre existirá pontos para remendar a costura - é importante entregá-lo para uma análise crítica, antes mesmo de enviá-lo para a editora. Seus pais, amigos íntimos, namorado(a), parente próximo, alguém que confie sua obra de arte para ser dissecada. A visão de outra pessoa, que vive fora da sua mente criativa cheia de ideias e cenários na imaginação, será imprescindível; afinal, ela dará sugestões, opiniões e observações sobre detalhes que talvez você nem tivesse percebido ao escrever.

                Após a análise crítica, registre o livro na Biblioteca Nacional (veja aqui como fazer). O registro lhe assegurará que ninguém roube a sua obra, nem copie trechos de algo que você que escreveu. Milhares de histórias de plágio estão aí para provar que confiar no ser humano é extremamente arriscado.

                Tendo o registro e uma obra bem estruturada, chegou a hora de mandá-lo para a editora. Lembre-se de identificar uma que trabalhe com o mesmo gênero do seu livro e não se esqueça que muitas modificações ainda serão feitas até que este esteja pronto para a publicação.   Dúvidas? Fale conosco! A Revoar está sempre pronta para clarear as mentes criativas. atendimento@editorarevoar.com.br